Para evitar riscos ao ecossistema e à saúde da população brasileira que sofre com a falta de tratamento de esgotos adequado, foi realizado um estudo que apresenta o cenário atual, analisa dados e propõe ações e uma estratégia para investimentos em esgotamento sanitário com o horizonte de 2035.

Atlas Esgotos

Despoluição de Bacias Hidrográficas

A Agência Nacional de Águas (ANA) e a Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental apresentam:

Aqui você encontrará os principais destaques da publicação, que poderá ser acessada por meio do Sistema Nacional de Informações sobre Recursos Hídricos (SNIRH).

O Atlas Esgotos

O Atlas Esgotos traz a análise da situação do esgotamento sanitário nas 5.570 cidades brasileiras e dos impactos do lançamento dos esgotos nos rios, lagos e reservatórios do País. Como muitos municípios não possuem tratamento de esgotos adequado ou sequer disponibilizam o serviço para sua população, o lançamento desses efluentes nos corpos hídricos comprometem a qualidade e os usos das águas, causando implicações danosas à saúde pública e ao equilíbrio do meio ambiente.

A ANA, em parceria com a Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades, elaborou a publicação com embasamento técnico e estratégico, para que os setores de recursos hídricos e de saneamento tenham à disposição um documento de referência para subsidiar a tomada de decisão na gestão de recursos hídricos e na orientação dos investimentos no tratamento dos esgotos urbanos.

A disposição final do esgoto é uma questão de saúde para o ecossistema e
para a população.

Principais objetivos do Atlas Esgotos:

Caracterizar a situação do esgotamento sanitário em todos os municípios brasileiros.
Avaliar o impacto do lançamento dos esgotos nos rios, lagos e reservatórios do País.
Propor soluções de coleta e tratamento de esgotos com foco na universalização dos serviços e no atendimento aos usos múltiplos da água.
Propor estratégia de caráter técnico e institucional para orientar os processos de planejamento, regulação e financiamento no âmbito dos setores de recursos hídricos e saneamento.
Disponibilizar à sociedade e aos tomadores de decisão informações de todas as cidades brasileiras, de forma a fortalecer os processos de planejamento e gestão de recursos hídricos e de saneamento.

Situação da Coleta
e do tratamento de esgotos

Situação atual

No Brasil, 43% da população possui esgoto coletado e tratado e 12% utilizam-se de fossa séptica (solução individual), ou seja, 55% possuem tratamento considerado adequado; 18% têm seu esgoto coletado e não tratado, o que pode ser considerado como um atendimento precário; e 27% não possuem coleta nem tratamento, isto é, sem atendimento por serviço de coleta sanitário.

O impacto do lançamento
de esgotos nos corpos hídricos

Dispor o esgoto sem o adequado tratamento compromete a qualidade da água nas áreas urbanas, causando impacto na saúde da população, além de dificultar o atendimento de usos a jusante, como abastecimento humano, balneabilidade, irrigação, dentre outros.

Para medir o impacto do lançamento de esgotos nos corpos d'água, os rios identificados na base geográfica da ANA foram avaliados com auxílio de modelagem e identificadas as concentrações resultantes de DBO. Os resultados foram organizados em faixas compatíveis com os limites definidos na legislação ambiental, variando daquele aplicado a usos que requerem melhor qualidade de água, como recreação de contato primário, até o limite que só permite a prática de usos menos exigentes, como navegação.

Extensão dos rios brasileiros comprometidos por DBO, segundo os limites das classes de enquadramento.
?
Impacto negativo

Mais de 110 mil km de trechos de rio estão com a qualidade comprometida devido ao excesso de carga orgânica, sendo que em 83.450 km não é mais permitida a captação para abastecimento público devido à poluição e em 27.040 km a captação pode ser feita, mas requer tratamento avançado.

Explore os mapas interativos

Soluções e projeções no horizonte de 2035

O histórico do saneamento no País tem evidenciado que as ações de coleta e tratamento de esgotos podem não surtir o efeito almejado caso o aporte financeiro em infraestrutura seja realizado sem a devida competência institucional instalada no município e sem considerar as particularidades das soluções requeridas em função da capacidade de diluição dos corpos receptores.

Como o Brasil possui grande diversidade populacional e hidrológica, as soluções propostas pelo Atlas Esgotos consideram diferentes alternativas técnicas em função da complexidade associada à concentração populacional em cada cidade e à vazão disponível nos rios.

Estratégia e investimentos

A implementação das soluções de esgotamento e os investimentos serão feitos de forma gradual. No horizonte de 2035 foi estimado o valor de R$ 149.5 bilhões em obras de coleta e tratamento dos esgotos para os 3 grupos, com foco na universalização do esgotamento sanitário e na proteção dos recursos hídricos e no seu uso sustentável.

Conheça as solucões propostas por municípios
Para que a estratégia de implementação seja mais efetiva, também foi realizada uma divisão dos municípios em função da capacidade institucional da prestação do serviço de esgotamento sanitário, de forma a orientar diferentes abordagens:
?
?
?
?
?
?

Contato

Agência Nacional de Águas - ANA

Setor Policial, Área 5, Qd. 3, Bloco M
CEP: 70610-200
Brasília (DF)

SIA Trecho 4, Lote 370
CEP: 71.200-041
Brasília (DF)

Imprensa

Release Atlas Esgotos
PDF 946KB

imprensa@ana.gov.br | (61) 2109-5129

Voltar